CNPE estabelece medidas complementares para transição do mercado concorrencial de gás natural

Conselho também aprovou criação de grupo de trabalho para elaborar plano para viabilizar a recuperação dos reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN).

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou, nesta quinta-feira (7/4), as diretrizes e aperfeiçoamentos das políticas públicas para a transição para um mercado concorrencial de gás natural, objetivo do Programa Novo Mercado de Gás.

A Resolução consolida também as Resoluções anteriores que tratavam do tema: Resolução CNPE nº 10, de 14 de dezembro de 2016, que estabelece as diretrizes estratégicas para o desenho de novo mercado de gás natural, e a Resolução CNPE nº 16, de 24 de junho de 2019, que estabelece as diretrizes e aperfeiçoamentos de políticas energéticas voltadas à promoção da livre concorrência no mercado de gás natural.

Após a sanção da Nova Lei do Gás (Lei nº 14.134, de 8 de abril de 2021), o mercado de gás natural vem se desenvolvendo no Brasil, apresentando resultados expressivos. São seis novos agentes ofertando gás natural diretamente ao mercado, foi viabilizado o acesso de terceiros às infraestruturas essenciais de transporte de gás natural e deu-se prosseguimento aos desinvestimentos da Petrobras nas atividades de transporte e distribuição.

Entretanto, para continuar o avanço em direção ao mercado aberto, dinâmico e competitivo, há um processo de transição, em que é essencial a atuação coordenada dos agentes da indústria do gás natural.

A nova Resolução CNPE, dessa forma, estabelece medidas complementares para promover um ambiente estável e atrativo para a realização de negócios, reduzindo incertezas durante o período de transição para o novo modelo de mercado.

Recuperação dos reservatórios

Considerando a evolução da matriz brasileira de geração de energia elétrica, com a relevante expansão das fontes renováveis não hídricas e o aumento dos requisitos dos demais usos da água para a operação dos reservatórios das usinas hidrelétricas, o CNPE também aprovou a criação de um grupo de trabalho para elaboração do plano para viabilizar a recuperação dos reservatórios de regularização integrantes do Sistema Interligado Nacional (SIN).

Compõe o grupo de trabalho o Ministério e Minas e Energia (MME), o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), com a possibilidade de participação de especialistas e representantes de órgãos e entidades da sociedade civil e de associações para robustecer as avaliações.

As diretrizes para elaboração do plano constam da Lei nº 14.182/2021 e preveem, dentre outras, a garantia da segurança energética do SIN e a segurança dos usos múltiplos da água. O prazo para finalização dos trabalhos é 31 de maio de 2022.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Social

Mais artigos

Novas regras de proteção do Mercado

Vídeo TOMASA sobre as principais disposições da Resolução Normativa ANEEL nº 1.011, de 2022, que trata das novas regras de proteção do Mercado. A Área de Energia permanece à disposição para auxiliar as empresas e associações de classe que queiram mais informações sobre os assuntos aqui abordados. Equipe Energia – TOMASA

Leia mais

O Hidrogênio Verde e as oportunidades para o Mercado de Energia

Artigo publicado no Canal Energia sobre o hidrogênio verde e suas oportunidades no mercado de energia. A Área de Energia permanece à disposição para auxiliar as empresas e associações de classe que queiram mais informações sobre os assuntos aqui abordados. Equipe Energia – TOMASA Download do material (PDF)

Leia mais

Apresentação ABRACEEL

Dia 28.03.2022, nosso sócio Urias Martiniano Garcia Neto apresentou para as associadas da ABRACEEL as principais disposições da nova metodologia do ICMS para o ACL no estado de São Paulo.

Leia mais