Valores competitivos incentivam a importação de gás boliviano

Especialista em energia também alerta para necessidade de investimento na rede de distribuição do setor. Tema será discutido durante evento no Rio de Janeiro

Custos mais baixos e mais competitivos para o mercado são fatores decisivos para que o Brasil permaneça com o contrato de importação do gás proveniente da Bolívia. A afirmação acima é do conselheiro do IBDE e membro efetivo da Comissão de Direito de Energia da OAB-SP, Cid Tomanik Pompeu Filho, que salienta que o relacionamento entre os países deve perdurar por pelo menos 20 anos.

“Muito do gás produzido no Brasil vai ser usado para a geração em termelétricas e o restante será utilizado para a extração de petróleo. Essa relação se manterá por muito tempo”, aponta o especialista. Para ele, a importação tende a trazer bons frutos para o mercado nacional. “O gás boliviano tem preços mais baixos que o brasileiro. Importar é muito válido enquanto os valores forem mais competitivos. Se esse novo contrato for mantido entre os dois países e o Brasil souber negociar um preço bom, seria uma boa perspectiva ter gás mais barato para o mercado interno”, destaca. O contrato Brasil-Bolívia integra a grade de temas que serão abordados no Gas Summit Latin America 2014, evento que discute a indústria do gás entre os dias 13 e 15 de maio de 2014, no Hotel Windsor, no Rio de Janeiro.

Transporte – Item essencial, para Cid Tomanik Pompeu Filho, se o transporte continuar precário, sem infraestrutura adequada, com poucos investimentos e sem redes suficientes para atender à demanda do mercado, ele pode encarecer o preço do gás no Brasil. Além disso, o baixo investimento da indústria boliviana nas próprias reservas e os fatores limitantes para que continuem a suprir o consumo brasileiro corroboram para o alerta do especialista. “É preocupante. Como ainda dependemos muito do gás boliviano, se o país não investir em infraestrutura, corremos o risco de ficar por alguns períodos sem gás”, constata Cid Tomanik.

Sobre o GAS SUMMIT LATIN AMERICA 2014
Em sua 11ª edição, o Gas Summit Latin America é um dos mais tradicionais fóruns de discussões do continente sobre a indústria do gás. Com uma equação equilibrada entre palestrantes de reconhecida expertise mercadológica e técnica, autoridades públicas e empresários de alto poder de decisão de empresas chave no setor, há muito foi incorporado ao calendário de eventos internacionais como o principal encontro do setor de gás. Em 2014, o Gas Summit Latin America acontece de 13 a 15 de maio, no Hotel Windsor Atlântica, no Rio de Janeiro. Mais informações sobre a programação e inscrições estão disponíveis no site do evento, em www.informagroup.com.br/gassummit.

Sobre o Informa Group
O Informa Group é o maior provedor mundial de informação especializada e serviços para as comunidades acadêmica e científica, profissional e empresarial. O grupo tem sua sede em Londres e outros 150 escritórios em 40 países, empregando 10000 funcionários em todo o mundo. As ações do Informa Group estão listadas na Bolsa de Valores de Londres, compondo o índice das 250 maiores companhias (FTSE-250:INF). No segmento de eventos, o Informa Group é hoje o maior organizador de feiras, conferências e treinamentos do mundo com capital aberto, com uma agenda de mais de 12 mil eventos por ano. Na América Latina, o Informa Group está presente através de várias empresas como IBC, IIR, BTS Informa, AchieveGlobal e InformaEconomics – FNP

Fonte: GASNET

Mais artigos

Comunicado: Novo Sócio

É com satisfação que o escritório Tomanik Martiniano anuncia a chegada de Reinaldo Luiz Rossi. O novo sócio será responsável pela área de projetos estruturados no setor de energia, bem como conflitos estratégicos. Com mais de 10 anos de experiência, Reinaldo atua ativamente em operações de energia, inclusive anteriormente com projetos em parcerias com o

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – PLP 16/2021 – ICMS

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – PLP 16/2021 Link: tramitação Define os combustíveis e lubrificantes sobre os quais incidirá uma única vez o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação, ainda que as operações se iniciem no exterior. o CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

PROJETO DO EXECUTIVO PREVÊ ALÍQUOTA NACIONAL PARA ICMS EM COMBUSTÍVEL

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 16/21, do Poder Executivo, unifica em todo o País as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidentes sobre combustíveis. A lista inclui gasolina, diesel, biodiesel, etanol e gás natural e de cozinha, além de vários outros derivados de petróleo. A proposta em tramitação na Câmara

Leia mais