Indústria vem por último

JUNHO 14, 2013 

Governo dá indicações de que a maior parte do energético novo deve ficar com unidades da Petrobras e térmicas na boca do poço.

O protagonismo da indústria no desenvolvimento do mercado brasileiro de gás natural está ameaçado. Com a perda de competitividade do energético e de fôlego da economia, Petrobras e governo dão sinais de que têm outros planos para o combustível e que pretendem direcionar a maior parte da produção do pré-sal e do eventual gás onshore não convencional aos próprios projetos da petroleira e à expansão termelétrica.

O Plano de Negócios 2013-2017 mostra que a Petrobras reviu suas contas, indicando que a indústria deixou de ser prioridade. Em comparação com o PN anterior (12-16), a companhia cortou quase 40% do volume de gás novo destinado às distribuidoras em 2020 – de 26 milhões de m3/dia para 16 milhões de m3/dia. Por outro lado, a petroleira espera aumentar em 19 milhões de m3/dia a destinação de sua produção para o próprio consumo até o fim da década, seja no refino ou nas fafens (unidades de fabricação de fertilizantes).

“É uma mensagem ruim para a indústria. Pode-se traduzir isso como falta de prioridade. Não é no desenvolvimento de mercado que a Petrobras vai alocar os dólares escassos. Ela vai tentar desenvolver o upstream, especialmente o óleo, e dar uma destinação mais fácil e menos onerosa ao gás”, opina a sócia diretora da Gas Energy, Sylvie d’Apote.

Por trás da opção pelo autoconsumo está o boom do agronegócio no país e o aquecimento do mercado de combustíveis. Ambos tornam uma alternativa rentável a venda do gás para fafens e unidades de geração de hidrogênio nas refinarias.

Entretanto, para o presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, o aumento do consumo próprio da Petrobras não deve tirar a importância da indústria no desenvolvimento do mercado do energético. “Vai haver crescimento na indústria, nas refinarias, nas fábricas de fertilizantes, tanto para a indústria quanto para a Petrobras. Temos de considerar que as fafens fazem parte da indústria”, pontua.

Procurada pela Brasil Energia, a Petrobras não comentou o assunto. Fontes do mercado, contudo, indicam que a escolha foi tomada diante das incertezas quanto à real oferta.

Na boca do poço

Além do autoconsumo da petroleira, a indústria pode perder espaço possivelmente para as termelétricas. Hoje fora dos leilões por falta de disponibilidade de gás e por não conseguir concorrer com as eólicas, a geração de energia está sendo vista pelo governo como o principal motor de desenvolvimento do gás onshore.

Recentemente, o secretário de Desenvolvimento e Planejamento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Altino Ventura Filho, admitiu – embora sem descartar a destinação para outros fins – que a prioridade para a nova oferta de gás onshore será a geração de energia elétrica. Isso dispensaria custos com gasodutos e simplificaria a infraestrutura necessária ao escoamento do energético.

“Queremos ligar essa produção de forma direta às linhas de transmissão, para abastecer o sistema, e também viabilizar uma grande produção de amônia e ureia no Centro-Oeste, para impulsionar a produção agrícola do país”, diz a presidente da Petrobras, Graça Foster.

Em road shows para investidores, no Brasil e no exterior, a EPE tem trabalhado com a expectativa de contratar 1.500 MW de térmicas a gás natural nos próximos cinco anos, a depender do sucesso do gás não convencional.

Interiorização em risco

O mercado teme ainda que a opção pelas termelétricas na boca do poço inviabilize a interiorização da malha de gasodutos. “As termelétricas são sazonais. O que vai ser desse gás no período em que elas não despacharem?”, questiona o consultor especialista em gás natural e sócio da Tomanik Pompeu Advogados Associados, Cid Tomanik Pompeu Filho.

Para o presidente da Abrace, Paulo Pedrosa, viabilizar projetos de gás onshore com termelétricas é uma opção “pobre”. “Não há dúvida que o destino mais nobre para o gás é a indústria. É lá que o gás gera mais valor, seja através do PIB, geração de renda, imposto e emprego. O que está acontecendo com a revolução do shale gas nos EUA é o renascimento da economia americana”, defende Pedrosa.

Fonte:  Revista Brasil Energia

Mais artigos

Comunicado: Novo Sócio

É com satisfação que o escritório Tomanik Martiniano anuncia a chegada de Reinaldo Luiz Rossi. O novo sócio será responsável pela área de projetos estruturados no setor de energia, bem como conflitos estratégicos. Com mais de 10 anos de experiência, Reinaldo atua ativamente em operações de energia, inclusive anteriormente com projetos em parcerias com o

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – PLP 16/2021 – ICMS

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – PLP 16/2021 Link: tramitação Define os combustíveis e lubrificantes sobre os quais incidirá uma única vez o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação, ainda que as operações se iniciem no exterior. o CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

PROJETO DO EXECUTIVO PREVÊ ALÍQUOTA NACIONAL PARA ICMS EM COMBUSTÍVEL

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 16/21, do Poder Executivo, unifica em todo o País as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidentes sobre combustíveis. A lista inclui gasolina, diesel, biodiesel, etanol e gás natural e de cozinha, além de vários outros derivados de petróleo. A proposta em tramitação na Câmara

Leia mais