INDÚSTRIA VAI À JUSTIÇA CONTRA INDENIZAÇÃO BILIONÁRIA A TRANSMISSORAS DE ENERGIA

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) – Grandes indústrias representadas pela associação Abrace entraram na Justiça nesta semana para questionar o repasse às tarifas de energia a partir do segundo semestre de mais de 60 bilhões de reais para pagar indenizações devidas pela União a empresas de transmissão de energia elétrica, disse nesta quinta-feira à Reuters o advogado responsável pela ação.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou no final de fevereiro que a indenização seja paga a partir de julho por meio do aumento de um encargo cobrado nas contas de luz ao longo dos próximos oito anos.

As indenizações são referentes a investimentos feitos pelas elétricas e ainda não amortizados quando do lançamento pelo governo federal, no final de 2012, de um pacote de medidas para reduzir as tarifas elétricas que incluiu a renovação antecipada de contratos de concessão de geradoras e transmissoras.

“Demos entrada na segunda-feira… a gente não questiona o direito das transmissoras em momento nenhum, só entendemos que a indenização não é algo que possa ser repassado às tarifas. Nosso argumento é que essa é uma dívida do Estado”, disse à Reuters o advogado Julião Coelho, que representa a Abrace no processo.

A ação da Abrace inclui um pedido de liminar. A instituição tem como associados indústrias com grande consumo de eletricidade, como Alcoa, Dow e Braskem, entre outras.

Na época em que foi anunciada a redução da conta de luz, uma medida da então presidente Dilma Rousseff, a expectativa era que eventuais indenizações fossem quitadas com recursos de um fundo do setor elétrico criado especialmente isso, a chamada Reserva Global de Reversão (RGR).

Mas os pagamentos de indenizações a geradores e de uma primeira parte da compensação devida às transmissoras zeraram os recursos da RGR.

Com a conta vazia, o governo passou a discutir outras formas de quitar o compromisso com as elétricas, e o repasse às tarifas foi autorizado dias antes do afastamento da presidente Dilma Rousseff em meio a processo de impeachment.

O advogado do escritório Tomanik Pompeu, Urias Martiniano Neto, avalia que se pleito da Abrace for atendido poderá haver incentivo para que outros consumidores busquem a Justiça, como tem acontecido em outros casos semelhantes no setor elétrico.

Martiniano Neto, que não está ligado ao caso, também avalia que os valores envolvidos são vultosos e podem favorecer a indústria que questiona a cobrança.

“A possibilidade de se ter uma decisão favorável é muito grande, até porque são muitos custos onerando o consumidor”, disse ele.

 

© Thomson Reuters 2017 All rights reserved.

Mais artigos

Comunicado: Novo Sócio

É com satisfação que o escritório Tomanik Martiniano anuncia a chegada de Reinaldo Luiz Rossi. O novo sócio será responsável pela área de projetos estruturados no setor de energia, bem como conflitos estratégicos. Com mais de 10 anos de experiência, Reinaldo atua ativamente em operações de energia, inclusive anteriormente com projetos em parcerias com o

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – PLP 16/2021 – ICMS

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – PLP 16/2021 Link: tramitação Define os combustíveis e lubrificantes sobre os quais incidirá uma única vez o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação, ainda que as operações se iniciem no exterior. o CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

PROJETO DO EXECUTIVO PREVÊ ALÍQUOTA NACIONAL PARA ICMS EM COMBUSTÍVEL

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 16/21, do Poder Executivo, unifica em todo o País as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidentes sobre combustíveis. A lista inclui gasolina, diesel, biodiesel, etanol e gás natural e de cozinha, além de vários outros derivados de petróleo. A proposta em tramitação na Câmara

Leia mais