Estudo da FIRJAN revela que Indústria perde US$ 4,9 bilhões por ano com alto custo do gás

A tarifa média do gás para a indústria no Brasil é de US$ 17,14/MMbtu, enquanto nos Estados Unidos o valor é de US$ 4,45/MMbtu, por conta do advento do shale gas (gás de xisto). Essa diferença representa, para a indústria brasileira, gasto adicional de US$ 4,9 bilhões por ano. Os dados estão no estudo “O preço do gás natural para a indústria no Brasil e nos Estados Unidos – Comparativo de Competitividade”, divulgado nesta segunda-feira, dia 20, pelo Sistema FIRJAN.

indústria brasileira consome 10,4 bilhões de m3/ano de gás natural por ano, o que equivale a umcusto de US$ 6,6 bilhões. Transposto para os Estados Unidos, esse consumo equivale a um gasto de apenas US$ 1,7 bilhão.

O impacto dessa disparidade se faz sentir em empresas de todos os portes. No caso de uma microempresa brasileira, uma padaria de bairro, por exemplo, que possui de cinco a sete empregados e consumo de gás natural de aproximadamente 1,5 mil m³/mês, a perda de competitividade é de R$ 29,7 mil por ano na comparação com os Estados Unidos.

Para uma empresa química com cerca de 600 empregados e consumo de gás natural de aproximadamente 2,7 milhões m³/mês, o gasto adicional em comparação com empresa americana do mesmo porte é de R$ 29,8 milhões.

O gás natural tem participação relevante no custo de produção de setores industriais de peso na economia brasileira, como a indústria química (30%) e cerâmica (25%), por exemplo.

O estudo mostra que a melhoria da competitividade do gás no Brasil depende de mudanças estruturais, e que a redução do preço da molécula (parcela variável) é um primeiro passo necessário e importante.

No entanto, mesmo que o Brasil consiga ter o mesmo custo da molécula (parcela variável) do gás natural dos Estados Unidos, a tarifa para a indústria cairia para US$ 11,78/MMBtu, ainda quase o triplo do valor praticado nos Estados Unidos, devido ao peso dos demais componentes – transporte, margem de distribuição e tributos (PIS/Cofins e ICMS) – no preço do gás no país.

“A queda da tarifa seria significativa, e representaria um importante avanço. Para se tornar realmente competitivo em gás, no entanto, o Brasil precisa incluir na agenda o enfrentamento de todos os demais componentes que formam o seu preço: transporte, margem da distribuição e tributos”, diz o economista Cristiano Prado, gerente de Competitividade Industrial e Investimentos do Sistema FIRJAN.

Os impactos do shale gas na matriz de custos de indústria americana e seus efeitos sobre a competitividade global e brasileira estarão em debate no dia 23, quinta-feira, na sede da FIRJAN, como parte das comemorações do Dia da Indústria. A programação completa pode ser acessada através do link http://www.firjan.org.br/futurodaindustria

Veja o estudo:

Saiba mais sobre shale gas:

Mais artigos

Decisão judicial reconhece a ilegalidade do ICMS na Subvenção da CDE

Informativo Regulatório sobre a decisão judicial obtida pelo escritório Tomanik Martiniano que reconheceu a ilegalidade do ICMS na Subvenção da CDE com base na Lei Complementar nº 194, de 2022. Destaca-se que a referida decisão é o primeiro precedente judicial que reconhece a ilegalidade do ICMS na Subvenção da CDE com base na referida Lei

Leia mais

Decisão judicial reconhece a ilegalidade de teto e piso para o PLD

Informativo Regulatório sobre a decisão judicial da Justiça Federal que reconheceu a ilegalidade de teto e piso para o PLD. A Área de Energia permanece à disposição para auxiliar as empresas e associações de classe que queiram mais informações sobre os assuntos aqui abordados. Download do material (PDF) Equipe Energia

Leia mais
Desenvolvido por Danilo Pontechelle