Estudo da FIRJAN revela que Indústria perde US$ 4,9 bilhões por ano com alto custo do gás

A tarifa média do gás para a indústria no Brasil é de US$ 17,14/MMbtu, enquanto nos Estados Unidos o valor é de US$ 4,45/MMbtu, por conta do advento do shale gas (gás de xisto). Essa diferença representa, para a indústria brasileira, gasto adicional de US$ 4,9 bilhões por ano. Os dados estão no estudo “O preço do gás natural para a indústria no Brasil e nos Estados Unidos – Comparativo de Competitividade”, divulgado nesta segunda-feira, dia 20, pelo Sistema FIRJAN.

indústria brasileira consome 10,4 bilhões de m3/ano de gás natural por ano, o que equivale a umcusto de US$ 6,6 bilhões. Transposto para os Estados Unidos, esse consumo equivale a um gasto de apenas US$ 1,7 bilhão.

O impacto dessa disparidade se faz sentir em empresas de todos os portes. No caso de uma microempresa brasileira, uma padaria de bairro, por exemplo, que possui de cinco a sete empregados e consumo de gás natural de aproximadamente 1,5 mil m³/mês, a perda de competitividade é de R$ 29,7 mil por ano na comparação com os Estados Unidos.

Para uma empresa química com cerca de 600 empregados e consumo de gás natural de aproximadamente 2,7 milhões m³/mês, o gasto adicional em comparação com empresa americana do mesmo porte é de R$ 29,8 milhões.

O gás natural tem participação relevante no custo de produção de setores industriais de peso na economia brasileira, como a indústria química (30%) e cerâmica (25%), por exemplo.

O estudo mostra que a melhoria da competitividade do gás no Brasil depende de mudanças estruturais, e que a redução do preço da molécula (parcela variável) é um primeiro passo necessário e importante.

No entanto, mesmo que o Brasil consiga ter o mesmo custo da molécula (parcela variável) do gás natural dos Estados Unidos, a tarifa para a indústria cairia para US$ 11,78/MMBtu, ainda quase o triplo do valor praticado nos Estados Unidos, devido ao peso dos demais componentes – transporte, margem de distribuição e tributos (PIS/Cofins e ICMS) – no preço do gás no país.

“A queda da tarifa seria significativa, e representaria um importante avanço. Para se tornar realmente competitivo em gás, no entanto, o Brasil precisa incluir na agenda o enfrentamento de todos os demais componentes que formam o seu preço: transporte, margem da distribuição e tributos”, diz o economista Cristiano Prado, gerente de Competitividade Industrial e Investimentos do Sistema FIRJAN.

Os impactos do shale gas na matriz de custos de indústria americana e seus efeitos sobre a competitividade global e brasileira estarão em debate no dia 23, quinta-feira, na sede da FIRJAN, como parte das comemorações do Dia da Indústria. A programação completa pode ser acessada através do link http://www.firjan.org.br/futurodaindustria

Veja o estudo:

Saiba mais sobre shale gas:

Mais artigos

Novas regras de proteção do Mercado

Vídeo TOMASA sobre as principais disposições da Resolução Normativa ANEEL nº 1.011, de 2022, que trata das novas regras de proteção do Mercado. A Área de Energia permanece à disposição para auxiliar as empresas e associações de classe que queiram mais informações sobre os assuntos aqui abordados. Equipe Energia – TOMASA

Leia mais

O Hidrogênio Verde e as oportunidades para o Mercado de Energia

Artigo publicado no Canal Energia sobre o hidrogênio verde e suas oportunidades no mercado de energia. A Área de Energia permanece à disposição para auxiliar as empresas e associações de classe que queiram mais informações sobre os assuntos aqui abordados. Equipe Energia – TOMASA Download do material (PDF)

Leia mais

Apresentação ABRACEEL

Dia 28.03.2022, nosso sócio Urias Martiniano Garcia Neto apresentou para as associadas da ABRACEEL as principais disposições da nova metodologia do ICMS para o ACL no estado de São Paulo.

Leia mais
Desenvolvido por Danilo Pontechelle